sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

NO NOVO TEMPO ... FELIZ DOIS MIL E SEMPRE


Em 1849 Roma vivia grandes desafios diante do cerco que lhe era imposto por tropas hostis. Nesse cenário, um perseverante deputado republicano, o bravo Giuseppe Garibaldi, bradou diante da Assembleia Romana:

La fortuna che oggi ci tradì, si arriderà domani. Lo esco da Roma; chi vuol continuare la guerra contro lo straniero venga com me. Non offro nè paga, nè quartiere, ne provvigioni; offro fame, sete, marce forzate, battaglie e morte. Chi há il nome d’Italia non sulle labbra soltanto ma nel cuore, mi segua.
A sorte, que hoje nos traiu, sorrirá para nós amanhã. Estou saindo de Roma. Aqueles que quiserem continuar a guerra contra o estrangeiro, venham comigo. Não ofereço pagamento, quartel ou comida. Ofereço somente fome, sede, marchas forçadas, batalhas e morte. Os que trazem o nome da Itália não só nos lábios, mas no coração, sigam-me.
Possivelmente inspirado nessas palavras, quase cem anos mais tarde, uma outra figura da História Contemporânea, Sir Winston Churchill , também acossado por desafios inimagináveis, fez seu célebre discurso à Câmara dos Comuns para submeter à aprovação a Moção de Confiança, que foi concedida ao Gabinete de Guerra que ele havia organizado.
I now invite the House, by the Motion which stands in my name, to record its approval of the steps taken and to declare its confidence in the new Government.
In this crisis I hope I may be pardoned if I do not address the House at any length today. I hope that any of my friends and colleagues, or former colleagues, who are affected by the political reconstruction, will make allowance, all allowance, for any lack of ceremony with which it has been necessary to act. I would say to the House, as I said to those who have joined this government: "I have nothing to offer but blood, toil, tears and sweat."
We have before us an ordeal of the most grievous kind. We have before us many, many long months of struggle and of suffering.
Convido agora a Câmara, pela moção apresentada em meu nome, a registar a sua aprovação das medidas tomadas e a afirmar a sua confiança no novo Governo.
...
Neste momento de crise, espero que me seja perdoado não falar hoje mais extensamente à Câmara. Confio em que os meus amigos, colegas e antigos colegas que são afetados pela reconstrução política se mostrem indulgentes para com a falta de cerimonial com que foi necessário atuar. Direi à Câmara o mesmo, que disse aos que entraram para este Governo: «Só tenho para oferecer sangue, sofrimento, lágrimas e suor». 
Temos perante nós uma dura provação. Temos perante nós muitos e longos meses de luta e sofrimento. (²)
São passagens de dois grandes líderes que submetidos a provações incalculáveis, sem a menor ideia de como iriam superar as adversidades, jamais se deixaram abater e, ao final de suas lutas, conseguiram fazer com que seus ideais fossem alcançados. O que fizeram com suas palavras? Acenderam a chama da esperança sem seus compatriotas, sem lhes fazer falsas promessas.
Vida que segue e em 1980, por nossas bandas, a sociedade se organizava para clamar, logo adiante, pelas Diretas Já.  O Regime Militar se tornava insuportável. Grandes desafios se apresentavam aos brasileiros oprimidos pelas armas e pelo poder ditatorial.
O meio artístico se apresentava como forma de mobilização. Nesse cenário um jovem tijucano (³), o compositor  Ivan Lins, à época com seus 35 anos de idade, e Vitor Martins, seu parceiro maior, lançam o álbum Novo Tempo, cuja faixa título, inspirava seus admiradores, em música e letra, a acenderem a chama da esperança.
No novo tempo, apesar dos castigos Estamos crescidos, estamos atentos, estamos mais vivos Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer 
No novo tempo, apesar dos perigos Da força mais bruta, da noite que assusta, estamos na luta Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver 
Pra que nossa esperança seja mais que a vingança Seja sempre um caminho que se deixa de herança 
No novo tempo, apesar dos castigos De toda fadiga, de toda injustiça, estamos na briga Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer 
No novo tempo, apesar dos perigos De todos os pecados, de todos enganos, estamos  marcados Pra sobreviver, pra sobreviver, pra sobreviver 
No novo tempo, apesar dos castigos Estamos em cena, estamos nas ruas, quebrando as algemas Pra nos socorrer, pra nos socorrer, pra nos socorrer 
No novo tempo, apesar dos perigos A gente se encontra cantando na praça, fazendo pirraça
Muitos dizem que este ano de 2016 é o ano que se recusa em acabar. Há uma dinâmica extraordinária em curso, e a sociedade fica aturdida sem saber ao certo que rumo tomar.
Os mais pessimistas insistem em analisar os números e fazer projeções cada qual pior. Até parece um concurso para, ao final, poderem dizer: Eu disse, viu? Eu sabia .... a catástrofe era visível!!!
Aff para esses profetas azarões. Confirmar que o que está ruim ficou pior é ter a atitude da hiena Hardy ao se lamuriar: Oh céus, oh vida, oh azar .... isso não vai dar certo!
Mas o que de fato nos leva a essas tendências pessimistas, e o que Garibaldi, Churchill e Ivan Lins e Vitor Martins têm a ver entre si e com o réveillon que se aproxima? CREDIBILIDADE é a palavra que encontro. Sim: CREDIBILIDADE, repito.
Os que seguiam Garibaldi acreditavam em sua conduta e valentia a ponto de lhe conceder a alcunha de Herói de Dois Mundos. Churchill, com seu exemplo e eloquência manteve a coesão dos britânicos diante dos insuportáveis bombardeios sobre Londres e por todo o Reino Unido.  Ivan Lins e Vitor Marins eram, e ainda permanecem sendo, pessoas confiáveis, sem subterfúgios, lúcidos em suas inspirações.
Quando nos vemos no limiar de um novo ano, perdemos a perspectiva de acreditar na reversão da tendência pois as personalidades que conduzem os poderes públicos (com raras exceções como os Magistrados, Procuradores, e agentes da Policia Federal e Delegacia da Receita Federal  que integram forças-tarefas como a Lava-Jato), e os empresários e controladores  das megaempresas brasileiras, hoje sabidamente pródigas em megafalcatruas pelo mundo afora, jamais serão depositários da credibilidade do povo brasileiro.
A cada dia, abrimos o jornal com a expectativa de ler qual a noticia ruim de hoje que supera a pior de ontem. Esse é o ponto central da questão: FALTA DE CREDIBILIDADE.
Certamente a forma de sair dessa situação, de reverter esse quadro, se distancia da busca do “Salvador da  Pátria” de plantão.
O que fazer então?  Unirmo-nos,  os cidadãos de bem e do bem, para que as redes de pessoas com credibilidade possa fazer a diferença. Que desses grupos possam emergir líderes que tragam consigo a credibilidade em seus corações, mais que em seus lábios.
No novo tempo, apesar dos perigos, a gente deve se encontrar na praça, nos lares, nas escolas e universidades,  fazendo pirraça pra sobreviver, pra sobreviver .
Assim, dois mil e dezessete poderá ser para nós, brasileiros, um novo tempo para podermos dizer: Feliz dois mil e sempre!